quarta-feira, outubro 09, 2013

London Town, September 2013.

Por ordem cronológica:

65DOS Live @ Rough Trade East: grande gig @ lunch time e completamente gratuito! No final da actuação, comprei o disco (formato vinil, claro!) e pedi a todos os membros da banda (malta muito, muito fixe, super simpáticos!) para autografar! Inesquecível!
 

LIVE TRANSMISSION: Joy Division Reworked @ The Royal Festival Hall: escasseiam as palavras para descrever este fantástico concerto multimédia cujo principal responsável é o brilhante Robin Rimbaud aka Scanner. Regra geral, torço sempre o nariz a este tipo de homenagens póstumas a bandas míticas e influentes. Mas isto, meus amigos é do melhor que já vi e ouvi! Think post-rock na versão Three Trapped Tigers (sim, o trio fez mesmo parte do projecto!) a tocar no meio de uma orquestra clássica desprovida de preconceitos e ávida de experimentalismo e vontade de derrubar barreiras musicais! E tudo isto embrulhado nas electrónicas densas e inventivas de Scanner a resultar numa bela, genuína e comovente celebração do  legado musical de uma das mais influentes bandas (post) punk de sempre! Imperdível e oxalá o projecto venha a passar por terras lusas!
 

John Hopkins Live @ KOKO: grande moca de concerto, malta! Para quem não faz ideia, o KOKO é um velho Teatro de Camden Town, restaurado há relativamente pouco tempo, a fazer lembrar o velhinho Sá da Bandeira da Invicta mas a puxar mais para o belo Theatro Circo da Bracara Augusta! O som tava do c*r*lho! O fim do mundo em cuecas! A malta estava toda f*dida on coke e MDMA! Grande concerto! Desculpem o vídeo (não é da minha autoria) mas acho que dá para perceber o ambiente louco que se fazia sentir no interior do recinto! A componente visual do gig a merecer também um papel de destaque!


Darkstar @ The Dummy Mag Event, London Fields Brewery: na véspera do regresso a Portogal, foi tempo para começar a relaxar e ser submetido ao sadstep dos Darkstar. No contexto da AGM (Artist General Meeting) Event da Dummy Mag, o gig decorreu numa cervejaria tipo... espelunca (ainda que a cerveja - or should i say ale or lager? - artesanal era o puto do auge!), localizada numa das zonas mais vibrantes da actual London scene. No Sábado actuaram cenas novas, ainda a cheirar a leite fresco mas todavia interessantes como Tirzah; Kirk Spencer e Cadenza e o demasiadamente mau para ser verdade Larry Gus da DFA (a voz do gajo é tão má! f*da-se! É criminoso cantar assim tão mal!). Os Darkstar? Foram maravilhosos! Introspetivos e melancólicos a contrastar com o ambiente de festa que os antecedera. Bateram forte na alma da malta, percebia-se isso nos rostos do público presente. No regresso a casa, apanhei, acreditem ou não, os primeiros pingos de chuva em 10 dias de estadia em Londres! Estava mais frio... A música dos Darkstar houvera precipitado o Outono. Nota: não há vídeo nem fotos para mostrar, por isso deixo-vos com a nova versão e belíssima versão de "Deadness", registada ao vivo no The Asylum, Londres.

3 comentários:

  1. isso!!
    também não acho muita piada a estes tributos, mas agora fiquei com curiosidade. espero que continuem. ab

    ResponderEliminar
  2. Altamente!!!
    Invejo-te Kovas!! grande programa!!
    Estive no KOKO aquando de um evento da ninjatune. Fiquei tb cativado pelo ambiente!

    ResponderEliminar
  3. N te cales Trosyd, tu curtias é musicais!
    Alto programa Kovas!
    Malta, quem é gajo para entrar no sorteio do Fusion deste ano?

    ResponderEliminar